quarta-feira, 7 de novembro de 2012

Quarta Dimensão: O Tempo

imagem do google*

É possível que estejamos enfrentando uma crise sem tamanho, relacionada aos nossos compromissos? Sim!


É de conhecimento geral que o dia está mais curto. Não apenas no nível de execução de tarefas e de sucessão de compromissos, mas em termos reais.
Desde 1952, as pesquisas relacionadas aos ciclos do tempo dão conta de que estamos longe do dia de 24 horas. Quando começaram, a duração do tempo relativo era de 18 horas para um dia.

A citação abaixo é baseada nas informações que enfocam o trabalho do geólogo norte-americano Greg Braden, maior estudioso do fenômeno. Braden trabalha a partir da interface ciência-evolução e é autor do livro Awakening to Zero Point (Despertando para o Ponto Zero) e de um vídeo de quatro horas sobre o fenômeno e suas possíveis consequências para a humanidade:



"A frequência de base da Terra, ou “pulsação” (a Ressonância Schumann), está aumentando drasticamente. Embora varie entre regiões geográficas, durante décadas a média foi de 7 a 8 ciclos por segundo. Essa medida já foi considerada uma constante. Comunicações globais militares foram desenvolvidas a partir do valor dessa freqüência. Recentes relatórios estabeleceram a taxa num índice superior a 11 ciclos. A ciência não sabe por que isso acontece – nem o que fazer com tal situação. Greg Braden encontrou dados coletados por pesquisadores noruegueses e russos sobre o assunto – que, por sinal, não é amplamente tratado nos Estados Unidos. A única referência à Ressonância Shumann (RS) encontrada na Biblioteca de Seattle está relacionada à meteorologia: a ciência reconhece a RS como um sensível indicador de variações de temperatura e condições amplas de clima. Braden acredita que a RS flutuante pode ser fator importante no desencadeamento das severas tempestades e enchentes dos últimos anos. Campo magnético decrescente Enquanto a taxa de “pulsação” está crescendo, seu campo de força magnético está declinando. De acordo com professor Banerjee, da Universidade do Novo México (EUA), o campo reduziu sua intensidade à metade, nos últimos 4 mil anos. Como um dos fenômenos que costuma preceder a inversão do magnetismo polar é a redução desse campo de força, ele acredita que outra inversão deve estar acontecendo. Braden afirma, em função disso, que os registros geológicos da Terra que indicam inversões magnéticas também assinalam mudanças cíclicas ocorridas anteriormente. E, considerando a enorme escala de tempo representada por todo o processo, devem ter ocorrido muito poucas dessas mudanças ao longo da história do planeta. Impacto sobre o planeta Greg Braden costuma afirmar que essas informações não devem ser usadas com o objetivo de amedrontar as pessoas. Ele acredita que devemos estar preparados para as mudanças planetárias, que irão introduzir uma Nova Era de Luz para o planeta: a nova humanidade viverá além do dinheiro e do tempo, com os conceitos baseados no medo e no egoísmo sendo totalmente dissolvidos. Braden lembra que o Ponto Zero ou a Mudança das Eras vem sendo predito por povos ancestrais há milhares de anos. Têm acontecido ao longo da história do planeta muitas transformações geológicas importantes, incluindo aquelas que ocorrem a cada 13 mil anos, precisamente na metade dos 26 mil anos de Precessão dos Equinócios. O Ponto Zero ou uma alteração dos pólos magnéticos provavelmente acontecerá logo, acredita Braden. Poderia possivelmente sincronizar-se com o biorritmo de 4 ciclos da Terra, que ocorre a cada 20 anos, sempre no dia 12 de agosto. A última ocorrência foi em 2003. Afirma-se que depois do Ponto Zero o sol nascerá no oeste e se porá no leste. Ocorrências passadas, desse mesmo tipo de mudança, foram encontradas em registros ancestrais. Os reflexos na vida humana Greg Braden assinala que as mudanças na Terra estarão afetando cada vez mais nossos padrões de sono, relacionamentos, a habilidade de regular o sistema imunológico e a percepção do tempo. Tudo isso pode envolver sintomas como enxaquecas, cansaço, sensações elétricas na coluna, dores no sistema muscular, sinais de gripe e sono intenso. Ele associa uma série de conceitos de ordem esotérica aos processos geológicos e cosmológicos relacionados ao Ponto Zero. Para Braden, cada ser humano está vivendo um intenso processo de “iniciação”. O tempo parecerá acelerar-se à medida que nos aproximarmos do Ponto Zero, em função do aumento da freqüência vibratória do planeta: 16 horas agora equivaleriam a um dia inteiro, ou seja, 24 horas. Durante o fenômeno da mudança, aponta ele, a maior parte de tecnologia que conhecemos deverá parar de operar. Possíveis exceções poderiam ser em aparelhos com tecnologia baseada no Ponto Zero ou Energia Livre. A inversão causada pelo Ponto Zero provavelmente nos introduzirá à Quarta Dimensão, diz o geólogo, então tudo o que pensarmos ou desejarmos vai se manifestar rapidamente. Isso inclui pensamentos e sentimentos diversos inconscientes. Daí que a “intenção” passará a representar um papel de suma importância na vida humana."



E o que isso tem a ver com a Era de Cristal?

Uma vez que alcançaremos a 5ª dimensão, de forma consciente, é de se esperar que nos perguntemos: "E a 4ª?". Assim é preciso entendê-la e rever os conceitos preconcebidos, no intuito de perceber que, durante muito "tempo", existiremos simultaneamente na 3ª e 5ª dimensões e por isso, precisamos da 4ª para que tenhamos contato com o que já conhecemos.

Na Teoria da Relatividade, o tempo é a 4ª dimensão. Considere o tempo como uma direção relativa à matéria. Mas para sair desse labirinto preconcebido, é preciso considerar o tempo como uma frequência, o que permite a compreensão de que a consciência pode sintonizar coordenadas de tempo específicas, ou alternadas, que coexistem simultaneamente.

Mover-se no tempo é andar por meio da "frequência" dentro das dimensões.
O tempo é um preceito que está relacionado à corrente de Consciência pelo seu próprio campo de realidade. Ele é um produto da percepção da realidade tridimensional que cria a aparência e a ilusão de um passado, um presente e um futuro.

Eventos múltiplos podem existir simultaneamente e o tempo, por sua vez, permite a ordenação dos acontecimentos.
A ideia de que o tempo é mais "vertical" do que linear é uma percepção que nos aproxima da compreensão de tempo holográfico.
No tempo "vertical", passado, presente e futuro estão empilhados e relacionam-se por ciclos.

O tempo, como dimensão, permite a existência de objetos múltiplos dentro de um mesmo intervalo. Na mecânica quântica, o tempo não é um parâmetro observável, nem detectável. As ondas quânticas entram e saem do tempo e é só isso que percebemos: o resultado dos eventos, numa ordem que faz sentido ao nosso cérebro, como se fosse linear.

por Era de Cristal - eradecristal@gmail.com

terça-feira, 16 de outubro de 2012

O Altar do Dia das Bruxas

imagem do google*

No dia 31 de outubro,
quando o crepúsculo tomar conta do horizonte,
uma bruxa estará vestida de negro,
para sua energia não ser vampirizada.
Precedendo a escuridão da noite
um altar surgirá do ventre da terra
no lado norte da bússola terrestre.
Com sua vassoura, a bruxa varrerá
sem tocar no solo, visualizando
a limpeza astral do local escolhido.
Com a varinha de carvalho,
traçará um circulo mágico
para invocar os Deuses
que protegem os rituais.
Coberto por um manto negro
o altar receberá oferendas.
Primeiro: o Incensório,
acima do lado esquerdo, 
para purificar o portal
que se abrirá nesta noite.
Segundo: o Caldeirão,
abaixo do lado esquerdo,
o útero da Deusa,
essência da fertilidade,
e do eterno feminino.
Terceiro: o Athame,
abaixo do lado direito,
um punhal de prata
com o cabo preto,
para absorver o poder
e direcionar a energia.
Quarto: o Cálice de vinho
ou de água filtrada,
acima do lado direito,
para beber durante
o ritual encantado.
Quinto: os Cristais,
no lado direito do meio,
energizados com a luz
solar e lunar sobre a terra,
porque eles armazenam
energia criativa 
e filtrarão o ambiente.
Sexto: o Pentagrama
a estrela de cinco pontas,
exatamente no meio,
representando os elementos:
água, terra, fogo, ar e o etéreo.
Sétimo: a Espada Cerimonial,
no lado norte,
representando a força da Bruxa,
para banir espíritos e apagar
o círculo mágico.
Oitavo: o Livro das Sombras,
no lado sul,
o diário secreto da Bruxa,
onde contém seus encantamentos,
suas invocações, seus rituais,
seus sonhos e presságios.
Nono: uma vela preta no lado oeste,
representando a Deusa
e uma vela branca no lado leste,
representando o Deus.
Fechando-se o ciclo do altar
ele estará pronto para abrir
o portal quando chegar a hora.

***

Nas doze horas da noite, abra!
Acenda as velas e os incensos, 
escreva num papel o que mais
aflige sua vida neste momento:
um sentimento negativo,
um vício difícil de esquecer,
uma doença presente.
Coloque uma vela de aromatizador
dentro do caldeirão e acenda
sua chama no ventre de luz.
Ateie fogo no papel e jogue
no interior do caldeirão.
Creia que o Fogo Universal
queima todo o mal,
reduzindo-o ao pó das cinzas,
sem forças para existir.
Depois jogue as cinzas na terra,
fora do círculo mágico.
Para terminar, 
coma sementes de romãs, 
sentindo seu sabor
agridoce e diga:

"- Ó Eterna Deusa! Mãe que dá Luz aos caídos,
ensina-me que nos momentos de maior escuridão,
surge a mais intensa Luz!"

Helen De Rose

domingo, 16 de setembro de 2012

Liber 777 – O Sanctum Celestial

imagem do google*


INTRODUÇÃO

Todos os seres humanos buscam a felicidade, porém, muitos não sabem como encontrá-la. Isto se deve a que a maioria imagina que ela reside no bem-estar material. Por outro lado, há uma minoria convencida de que uma vida exclusivamente orientada para a espiritualidade a torna possível. Na verdade, nem uma nem outra dessas duas maneiras de entender a vida é ideal, pois a felicidade depende de um estado de equilíbrio perfeito entre nossos desejos materiais e nossas aspiracões espirituais. Ora, o melhor caminho que pode conduzir a esse estado é o do misticismo, que, por definição, consiste no estudo e na aplicação do elo harmônico que une o homem ao Deus que ele é capaz de sentir e compreender. Para o ser humano encarnado, o único modo de viver plenamente essa união é manter-se em harmonia consigo mesmo, com os outros e com o seu ambiente natural.



A HARMONIA CONSIGO MESMO

A harmonia que devemos manter relativamente a nós mesmos diz respeito ao nosso corpo, à nossa razão e a nossas emoções. É evidente que, se violamos continuamente as leis naturais que operam em nosso corpo, não podemos manter uma boa saúde. Devemos então nos esforçar sempre para tratar nosso organismo físico com o maior respeito e não comprometermos por negligência a harmonia que Ihe é devida. Uma alimentação mal equilibrada ou excessiva, falta de repouso, insuficiência de exercício, são alguns fatores físicos que perturbam o equilíbrio do nosso corpo. O mesmo princípio se aplica à nossa razão. O fato de que vivemos neste plano terreno nos obriga a recorrer a faculdades objetivas e subjetivas. A razão é uma das mais importantes dentre elas, porque é a partir dos nossos julgamentos que dirigimos nossa vida cotidiana. Quanto mais nos dedicamos a reflexões sadias e úteis, mais fazemos dela o que ela deve ser. isto é, um instrumento destinado a expressar o melhor de n6s mesmos. Se a submetemos à influência de coisas fúteis e impuras, cortamos o laço harmônico que deve uni-la aos impulsos de nossa alma. Devemos então refletir sempre sobre assuntos dignos de consideração para um místico. Ler obras interessantes, assistir a filmes educativos, meditar sobre os grandes problemas da vida, são as atividades típicas que permitem que mantenhamos harmonia em nossa mente. Quanto ao campo das emoções, o leitor sabe que sentimentos baseados na cólera, no orgulho, no ciúme, na maldade, etc., prejudicam consideravelmente nosso bem-estar emocional e, por conseguinte, nosso equilíbrio físico. Fora dos extremos que vimos de mencionar, sentimentos de medo, ansiedade, inquietação, são igualmente prejudiciais para a harmonia geral que deve prevalecer em todos os níveis do nosso ser. Cada indivíduo deve portanto fazer todo o possível para vibrar ao ritmo de emoções puras e construtivas; é impossível viver em paz profunda enquanto se permanece prisioneiro de reações emocionais discordantes.


A HARMONIA COM OS OUTROS

Já citamos a harmonia que devamos manter entre n6s mesmos e os outros. É impossível evoluirmos e mesmo vivermos sem estabelecermos contatos freqüentes com nossos semelhantes. O homem, como ser encarnado, não é uma individualidade tão autônoma como pensa que é. A vida comunitária Ihe é necessária, pois nenhum ser humano, por independente que seja, pode viver feliz e desabrochar sem satisfazer sua necessidade inata de comunicação. Foi o instinto gregário que impeliu o homem a viver em sociedade e fazer dessa sociedade a garantia de seu bem-estar familiar. Como todos precisamos dos outros, devemos evitar manter para com eles associações baseadas em relações de força e domínio. Isso significa que devemos fazer tudo para preservar a harmonia em nossa família e viver em bom entendimento com todas as pessoas com quem devemos conviver, seja no plano familiar ou profissional, ou no quadro mais geral da coletividade humana. Com efeito, que pode ser mais doloroso, no plano interior, do que viver permanentemente num ambiente conflituoso? Toda situação de discórdia entre n6s mesmos e os outros deve ser evitada, porque contém o germe de todas as guerras que assolam o mundo. A harmonia deve ser a regra de ouro da vida familiar e social. Isso não implica que todos os indivíduos devam pensar, falar e se comportar da mesma maneira, visto que a uniformidade é inimiga da evolução. Significa simplesmente que devemos conviver em respeito mútuo, com o desejo de colocar nossas diferenças de opinião e comportamento a serviço do bem-estar dos outros.


A HARMONIA COM A NATUREZA

Examinemos agora a harmonia que precisamos manter entre nós mesmos e nosso ambiente natural. Este ponto não deveria requerer nenhum comentário, já que é evidente. Infelizmente, porém, basta olharmos à nossa volta para constatarmos a que ponto o homem, por preguiça, negligência ou interesse, não hesita em perturbar o equilíbrio ecológico do seu próprio meio ambiente. A natureza tem no entanto seus direitos e o homem, por sua vez, só tem deveres. Enquanto ele não compreender esta lei, continuará a destruir e comprometer seu ambiente, até o dia em que sofra individual e coletivamente as conseqüências de seus atos, se é que isto já não está acontecendo. É por isso que cada ser humano deve tomar consciência de que não podemos perturbar impunemente a ordem natural a que todos devemos a vida. Essa ordem natural prevalecia bem antes que o homem aparecesse na Terra e não há dúvida de que ela prevalecerá quando ele desaparecer, a menos que, evidentemente, nosso planeta seja destruído num apocalipse definitivo. O misticismo, também nisso, é o caminho que deve permitir ao homem reconciliar-se com a natureza. Sem essa reconciliação, a humanidade está condenada á autodestruição, pois, tenhamos consciência disso ou não, toda investida contra seu ambiente natural priva-a de uma parte de si mesma.

Para resumir o essencial desta introdução, afirmamos que a felicidade está na medida da harmonia que o homem é capaz de manifestar relativamente a si mesmo, aos outros e ao seu ambiente. Quanto mais ele tem consciência do que essa harmonia representa para o seu bem-estar pessoal, mais sente o desejo e a necessidade de a manter à sua volta e no seu meio ambiente natural. Ora, a experiência demonstra que todo indivíduo que toma consciência disso compreende que não existem vários tipos de harmonia e, sim, uma só Harmonia Cósmica, manifestando-se em diferentes planos e em diversos campos.


DEFINIÇÃO DO SANCTUM CELESTIAL

Um dos objetivos da filosofia rosacruz consiste em dar a cada ser humano os meios de viver a Harmonia Cósmica nos planos físico, mental, emocional e espiritual. Os ensinamentos místicos que os rosacruzes recebem ao longo de sua afiliação contribuem muito para isso. Mas, para possibilitar uma harmonização total com as forças universais mais positivas, a Antiga e Mística Ordem da Rosa-Cruz, dada sua natureza tradicional e iniciática, integra em sua Egrégora * um campo de energia cósmica de que se podem beneficiar todos aqueles que conhecem o meio de estabelecer contato com esse campo. Justamente esse campo de energia, que não está limitado no tempo nem no espaço, é o que a tradição rosacruz denomina Sanctum Celestial.

Para os rosacruzes, o Sanctum Celestial é o mais elevado plano de consciência que eles podem alcançar harmonizando-se interiormente com o Cósmico. No plano vibratório, esse nível de consciência é a expressão virtual daquilo que a Rosa-Cruz, como ideal filosófico e místico, coloca de mais puro a serviço do homem. É por isso que dizemos que o Sanctum Celestial é o campo da purificação, da regeneração, da revelação e da iluminação. E assim é porque todo contato com ele coloca a alma humana em ressonância com a Grande Alma Universal e com todo o potencial de força e sabedoria que ela contém. Para os Membros da AMORC, ele constitui verdadeiramente uma pirâmide de ideais e virtudes, e é no ápice simbólico dessa pirâmide que se situam os Mestres Cósmicos que velam pela tradição rosacruz. Esta é a razão pela qual a maior parte das experiências místicas que os rosacruzes são levados a fazer ao longo de seus estudos privados situam-se no nível do Sanctum Celestial.

* - EGRÉGORA ROSACRUZ - União ou assembléia de personalidades rosacruzes terrestres (Membros ativos e regulares da Ordem) e supraterrestres (Conclave dos Mestres Cósmicos principalmente os encarregados da Senda Rosacruz) constituindo uma unidade hierarquizada e movida pelo ideal rosacruz. Trata-se portanto de um setor particular do campo ou plano psíquico formado pela união das mentes daquelas personalidades em torno do ideal e da missão rosacruz.


A VISUALIZAÇÃO DO SANCTUM CELESTIAL

O Sanctum Celestial, como vimos de dizer, não é propriamente um lugar. Todavia, todo mundo sabe o quanto é difícil para a mente humana conceber de modo abstrato um campo de energia cósmica. Por isto o doutor H. Spencer Lewis, primeiro lmperator para o atual ciclo de atividade da AMORC, elaborou uma técnica que permite ao indivíduo harmonizar sua consciência com esse campo de energia. Essa técnica, como disse o próprio Frater Lewis, não é fruto de seus pensamentos pessoais. Ela Ihe foi cosmicamente revelada durante um contato que ele mesmo fez com esse plano de elevada espiritualidade, ao qual deu o nome de Sanctum Celestial. A experiência mística que ele viveu foi tão profunda, tão inspiradora, que ele procurou renová-la seguindo as revelações que havia recebido quando de sua sublime comunhão c6smica. Finalmente, assumiu o dever de torná-la acessível a todos, traduzindo-a para uma forma tão simples quanto possível. Seus esforços foram recompensados, visto que ele nos legou o método a seguirmos para termos acesso ao Sanctum Celestial.

Antes de passarmos a esse método, é necessário que você conceba sua própria visualização do Sanctum Celestial, porque ninguém pode alcançar o que não é capaz de definir. Neste particular, cabe a cada um definir sua própria maneira de imaginar esse lugar simbólico. Alguns o vêem sob forma de uma catedral; outros, com o aspecto de uma mesquita, de uma sinagoga ou de qualquer edifício consagrado a uma religião específica; outros, ainda, preferem concebê-lo com o aspecto de uma paisagem inspiradora; quanto à maioria dos rosacruzes, visualizam-no sob forma de um templo da Rosa-Cruz. Na realidade, há tantas maneiras de imaginar o Sanctum Celestial quantos indivíduos que manifestam o desejo de entrar em comunhão com o mesmo. O que importa é que a visualização desse elevado plano cósmico suscite em cada qual as mais belas emoções relativamente ao Plano Divino.


A ELEVAÇÃO AO SANCTUM CEEESTIAL

Toda vez que você desejar se elevar ao Sanctum Celestial, isto é, ao plano de consciência mais elevado que possa alcançar para receber os benefícios do Cósmico, proceda da seguinte maneira:

- Lave as mãos, simbolizando sua purificação física, e enxugue-as bem. Em seguida beba um copo de água fresca, simbolizando seu desejo de estar tão puro quanto possível no plano interior. Quanto mais seus atos e pensamentos exprimirem sua humildade e sua reverência para com o Cósmico, mais você reunirá as condições ideais para uma harmonização consciente com o Sanctum Celestial.

- Feito isso, sente-se num lugar calmo, com as costas bem apoiadas e os pés separados e bem plantados no chão. Coloque suas mãos sobre os joelhos, feche os olhos e faça mentalmente a seguinte invocação:

Que a sublime essência do Cósmico se infunda em meu ser e me purifique de todas as impurezas de mente e corpo, para que eu possa entrar no Sanctum Celestial e ali comungar com pureza e dignidade.

Assim Seja!

Esta invocação, como você pode observar, não tem nenhum caráter religioso ou sectário. Seu objetivo é simplesmente exprimir ao Cósmico seu desejo de elevar sua consciência ao seu Sanctum Celestial, a fim de entrar em comunhão com a sabedoria que ele simboliza no plano místico. Além disso, ela coloca sua comunhão sob a proteção da Egrégora da Rosa-Cruz, de maneira que nenhuma influência negativa possa se exercer sobre você enquanto se encontrar nesse estado interior.

- Tendo feito essa invocação, respire fundo algumas vezes, de modo que fique bem descontraído. Para isto, inale e exale profundamente pelo nariz, de maneira regular e ininterrupta.

- Quando se sentir perfeitamente descontraído, retome sua respiração normal e comece a imaginar que está se elevando em consciência ao Sanctum Celestial. Ou seja, imagine que está se elevando acima do recinto onde se encontra, de sua casa, de seu país, até o momento em que, afastando-se cada vez mais da Terra, você a vê apenas como uma esfera girando lentamente no espaço.

- Volte agora seu olhar para o infinito cósmico e prossiga com a sua ascensão, espiritual, até perceber o Sanctum Celestial conforme decidiu visualizá-lo. É nesse momento que deve imaginá-lo sob forma de uma catedral, uma mesquita, uma sinagoga, um templo, uma paisagem, etc. O simples fato de vê-lo assim, destacado no Cosmo e banhado na luz astral, deve enchê-lo de uma alegria interior indescritível.

- Se escolheu visualizar seu Sanctum Celestial sob forma de um edifício, imagine agora que está entrando nele e sentando-se num lugar de sua escolha. Então, perfeitamente descontraído, contemple mentalmente as maravilhas que se oferecem a seus olhos: os vitrais, as esculturas, as pinturas, as colunas, as abóbadas e, de modo geral, todos os elementos que fazem parte da decoração de um lugar consagrado à prece e à meditação. A essa beleza visual você pode acrescentar a impressão bem nítida de ouvir uma música particularmente inspiradora. Pode também imaginar que uma fragrância de incenso impregna todo o local onde se encontra mentalmente. Em suma, a visualização do seu Sanctum Celestial deve levá-lo a perder completamente a consciência do mundo terrestre e viver no plano da alma. Todos os seus pensamentos e todas as suas emoções devem estar tomados de uma grande serenidade e de um bem-estar que nenhuma satisfação física poderia Ihe proporcionar.

- Se você prefere imaginar seu Sanctum Celestial sob forma de uma paisagem, então deve, no momento final de sua ascensão, integrar-se totalmente nessa paisagem, como se ela realmente existisse. Em outras palavras, deve visualizar-se numa floresta, à beira de um rio ou um lago, num campo verdejante e, de modo geral, no quadro natural que escolheu para sua visualização. É também importante que sua atividade consciente inclua cores, perfumes, ruídos, etc. No caso particular de uma paisagem, você pode imaginar o sopro do vento, o canto dos pássaros, o aroma das flores, o azul do céu, etc. O que importa, como já dissemos, é que você perca objetivamente a consciência do seu corpo físico e do seu ambiente terrestre, pois esta é a condição para receber do Cósmico o influxo de suas vibrações mais sutis.

- Quando se encontrar em seu Sanctum Celestial, deixe-se impregnar totalmente pelo ambiente ao mesmo tempo sagrado, inspirador e reconfortante que nele reina. Banhando o corpo e a alma nesse ambiente, este é o momento de expressar ao Deus do seu coração as razões que o levaram ao recolhimento nesse lugar de elevada espiritualidade. No caso de um problema de saúde, evoque-o mentalmente, como se o comunicasse à Inteligência Cósmica mais pura que possa conceber. Faça o mesmo se a sua presença no Sanctum Celestial for motivada por seu desejo de ser esclarecido quanto a algum problema familiar, social, profissional, ou qualquer outro. Caso seu objetivo seja simplesmente de orar ou meditar sobre algum assunto filosófico, faça isso nesse quadro harmonioso e proceda conforme seus impulsos.

- Após ter evocado mentalmente a razão que o levou a se elevar ao plano de consciência simbolizado pelo Sanctum Celestial, não pense mais nisso; mantendo-se no ambiente harmonioso que Ihe serviu de quadro, coloque-se num estado de total receptividade. Se conseguir isso, será então que receberá o influxo cósmico que o aliviará, curará, ou Ihe trará a resposta que buscava, etc. Não quer dizer que terá imediatamente consciência de ter recebido esse influxo, visto que ele ocorre num plano psíquico que não é perceptível objetivamente. Mas, com o passar das horas ou dos dias, você poderá avaliar todo o impacto que essa comunhão cósmica terá tido em seu ser ou em seu ambiente. Na verdade, podemos dizer que esse contato espiritual se traduz sempre por efeitos benéficos. É por isto que, a despeito das aparências, é impossível falhar na experiência do Sanctum Celestial. Mesmo que você tenha a impressão de não ter conseguido se elevar ao plano de consciência que ele simboliza, saiba que estará equivocado, pois nenhum fracasso é possível no plano da alma.

- Terminado esse período de receptividade, volte gradativamente ao plano objetivo. Em outras palavras, veja-se mentalmente deixando seu Sanctum Celestial e faça em sua consciência o trajeto inverso daquele que fez para se elevar a ele. De volta à consciência objetiva, abra os olhos e faça a seguinte invocação:

Que o Cósmico santifique meu contato com o Sanctum Celestial!

Assim seja!

OS PERÍODOS DE ELEVAÇÃO AO SANCTUM CELESTIAL

Na definição do Sanctum Celestial, salientamos que ele não é um lugar e sim um campo de energia cósmica, um nível de elevada espiritualidade, um plano de consciência muito elevado, que transcende totalmente os limites do tempo e do espaço. Isto significa que é possível elevar-se a ele a qualquer momento do dia e em qualquer lugar. Ou seja, não há uma hora precisa a respeitar para entrar em comunhão com o Sanctum Celestial. Uma vez que sintamos a necessidade, se nada se opuser no plano humano, suas portas estarão completamente abertas a qualquer momento do dia ou da noite. Analogamente, não há nenhuma necessidade de ir a uma igreja, uma mesquita, uma sinagoga ou qualquer outro templo terrestre, para fazer essa experiência. Neste particular, a única condição a preencher é estar a s6s num lugar calmo, tranqüilo. Podemos inclusive acrescentar que é possível fazê-la à noite, antes de dormir, já deitado na cama. Com efeito, é isto que faz a maioria dos rosacruzes, porque a experiência Ihes demonstrou que essa comunhão cósmica é sempre seguida de um bom sono e, com freqüência, de sonhos particularmente místicos.

É evidente que você não deve se elevar ao seu Sanctum Celestial somente quando está enfrentando algum problema, quer se trate da saúde ou de quaisquer outras dificuldades materiais. Cada vez que souber que uma outra pessoa precisa de ajuda, você deverá se recolher ao Sanctum Celestial, para pedir ao Cósmico que a ampare e inspire. Se o fizer em atitude de perfeita sinceridade, constatará até que ponto essa maneira de auxiliar a outrem é eficaz. Fora deste contexto, você pode fazer essa prática pelo simples prazer interior que ela Ihe proporcione. Isto significa que podemos nos elevar ao Sanctum Celestial sem nenhuma razão especial. Neste caso, o Cósmico nos concebe as bênçãos que considera bom nos outorgar. De fato, temos sempre pelo menos uma razão para desejarmos alcançar esse estado especial de consciência: orar pela felicidade dos outros e pela paz na Terra.

Já explicamos que cada qual tem seu próprio Sanctum Celestial, visto que a compreensão que se tem desse elevado estado cósmico é pessoal. Não obstante, você deve entender que o plano de consciência onde ele ocorre é o mesmo para todos. Vale dizer que a maneira de se elevar ao Sanctum Celestial é individual, mas que todos aqueles que a ele se recolhem encontram-se de fato no mesmo campo de energia c6smica. Por conseguinte, tenhamos consciência disso ou não, nunca estamos sozinhos no Sanctum Celestial, pois, dentre os milhares de pessoas que sabem da sua existência e mais particularmente dentre os rosacruzes do mundo inteiro, há sempre aqueles que, num momento ou outro do dia. a ele se elevam para orar, meditar ou rogar a ajuda do Cósmico. Isto explica o fato de que numerosos encontros ocorrem ao nível do Sanctum Celestial e de que esse lugar simbólico é utilizado por inúmeros Membros da AMORC para entrar em comunhão com os Mestres Cósmicos ou outros membros da Ordem.

Isso nos leva a informar que o Imperator e os Grandes Mestres da AMORC são os Oficiais Supremos do Sanctum Celestial. Como tais, eles dirigem regularmente convocações místicas ao nível desse elevado lugar cósmico. No transcorrer dessas convocações, que reúnem em consciência rosacruzes de todas as jurisdições do mundo, são transmitidas certas mensagens muito importantes, que é impossível traduzir no plano objetivo. No âmbito deste livreto, não podemos nos estender muito sobre este ponto, pois só a experiência pode permitir que se compreenda em que consistem essas mensagens e de que maneira são percebidas. Além do interesse que elas encerram no campo do conhecimento, têm a vantagem de não estarem sujeitas aos limites que Ihes seriam impostos pelas diferenças de línguas, pois, no plano c6smico, elas se dirigem diretamente à consciência da alma e transcendem totalmente o sentido e o valor das palavras.

Concluindo esta apresentação do Sanctum Celestial, sugerimos que você aproveite plenamente os benefícios que ele pode Ihe proporcionar em todos os planos. Em si mesmo, ele constitui talvez a criação mais nobre que a Inteligência Cósmica colocou à disposição do homem. Portanto, seria pena que você deixasse de entrar em comunhão com esse lugar simbólico que a Rosa-Cruz consagra à verdade e dedica a todos aqueles que buscam a felicidade.

Que o Cósmico guie sempre seus passos na senda da Paz Profunda e que o Sanctum Celestial seja para você o meio privilegiado de encontrar essa senda!



terça-feira, 11 de setembro de 2012

Data Final - Calendário Maya



Um texto recém-descoberto Maya revela a "data final" para o calendário Maya, tornando-se apenas o documento conhecido segundo a fazê-lo. Mas, ao contrário de algumas pessoas modernas, Maya antigos não esperam que o mundo acabe nessa data, disseram os pesquisadores.

"Este texto fala sobre a história política antiga, em vez de profecia", Marcello Canuto, o diretor da Universidade de Tulane América Central Research Institute, disse em um comunicado. "Esta nova evidência sugere que a data bak'tun 13 foi um importante evento do calendário que teria sido comemorada por antigos maias, no entanto, não fazem qualquer profecias apocalípticas sobre a data. "

O Calendário de Contagem Longa Maia é dividido em bak'tuns, ou 144.000 dias-ciclos que começam na data de criação do Maya. O solstício de inverno de 2012 (21 de dezembro) é o último dia do bak'tun 13, marcando o que o povo maia teria visto como um ciclo completo de criação.

Crentes da Nova Era e tipos apocalípticos atribuíram grande significado para o 21 de dezembro de 2012 data, com alguns prevendo um apocalipse e outros algum tipo de evento mundial espiritual profunda. Mas apenas uma referência arqueológica para a data de 2012 já havia sido encontrado, como uma inscrição em um monumento remonta a cerca de 669 dC em Tortuguero, no México. [ Fim do Mundo? Medos Doomsday Top ]

Agora, pesquisadores explorar as ruínas maias de La Corona, naGuatemala descobriram uma segunda referência. Em um bloco de escada esculpida com hieróglifos, os arqueólogos encontraram uma comemoração de uma visita do Yuknoom Yich'aak K'ahk 'de Calakmul, o mais poderoso governante maia em seu dia. O rei, também conhecido como Jaguar Paw, sofreu uma terrível derrota na batalha pelo Reino de Tikal em 695.

Historiadores há muito assumido que Jaguar Paw morreu ou foi capturada nesta batalha. Mas as esculturas provou que estavam errados. Na verdade, o rei visitou La Corona em 696 dC, provavelmente tentando reforçar a lealdade entre seus súditos, na esteira de sua derrota de quatro anos antes. [ Veja imagens das esculturas ]




Como parte desta turnê de divulgação, o rei foi chamando a si mesmo de "13 k'atun senhor," as esculturas revelam. K'atuns são outra unidade do calendário Maya, correspondente a 7.200 dias ou quase 20 anos. Jaguar Paw havia presidido o final do dia 13 destes k'atuns no ano 692.

É aí que a data final do calendário 2012 vem dentro Em um esforço para ligar-se e seu reinado para o futuro, o rei ligadas seu reinado com um outro ciclo de 13 - o bak'tun 13 de dezembro 21, 2012.

"O que este texto nos mostra é que, em tempos de crise, os antigos maias usaram seu calendário para promover a continuidade e estabilidade, em vez de prever o apocalipse ", disse Canuto.

La Corona foi o local de saques muito e só foi explorado por arqueólogos modernos há cerca de 15 anos. Canuto e sua escavação co-diretor Tomas Barrientos P. da Universidad del Valle de Guatemala anunciou a descoberta do novo calendário texto quinta-feira (28 de junho), no Palácio Nacional da Guatemala.

Os pesquisadores primeiro descobriu os degraus de pedra esculpida em 2010 perto de um edifício fortemente danificado pelos saqueadores. Os ladrões tinham perdido este conjunto de 12 medidas, no entanto, proporcionando um raro exemplo de pedras ainda em seus lugares originais. Os pesquisadores encontraram mais 10 pedras da escadaria que havia sido transferido, mas depois descartado por saqueadores. No total, essas 22 pedras possuem 264 hieróglifos rastreamento a história política de La Corona, tornando-o mais longo texto antigo conhecido Maya na Guatemala.


Fonte: texto traduzido - http://news.yahoo.com/ancient-text-confirms-mayan-calendar-end-date-202202415.html

sábado, 1 de setembro de 2012

Lua Azul

imagem do google*



Acredita-se que a Lua Azul começou a ser cultuada, inicialmente, entre os egípcios, com a substituição do calendário Lunar, que marcava o tempo usando as fases da Lua, pelo Solar, que introduziu o conceito do mês de trinta dias. Lua Azul é o nome que se dá à segunda Lua cheia dentro do mesmo mês. Um fenômeno que acontece, em média, uma vez a cada dois anos e sete meses, sete vezes a cada dezenove anos e trinta e seis vezes no século. Desde a antiguidade, a Lua Azul é considerada um acontecimento de muita força magnética e poder espiritual, reforçando o sentido de plenitude da Lua cheia. È um tempo em que se pode buscar aconselhamento para caminhos espirituais, pedindo ao Universo que reforce os laços de conexão com você.

Tradicionalmente, a Lua Azul é uma Lua do Amor, onde poderemos trabalhar todas as questões relativas a esse sentimento que move os mundos: o amor próprio, o amor pelo outro, o amor universal. Toda Lua Azul também é um tempo em que fica facilitada a conexão com o mundo das Fadas, com o Povo Pequeno.

A Lua Azul nos proporciona uma oportunidade a mais de tocar o divino, um aumento de consciência diante das forças sobrenaturais reforçando assim, o intercâmbio com os outros planos, reinos e dimensões. Por ser considerada “um tempo entre os tempos”, um momento raro, e por isso, muito mais poderoso e mágico, fica mais fácil alcançar “o mundo entre os mundos” por meio dela. É uma Lua de abundância, que permite colher muito mais do que plantamos. Os encantamentos têm maior poder e os resultados são mais rápidos. Pensamentos e desejos tornam-se mais intensos e, assim, qualquer ritual exige maior cautela em relação aos objetivos e pedidos. Mais do que nunca vale a advertência “cuidado com o que pedir, pois você pode conseguir”!

Com o surgimento do calendário Juliano,no início do cristianismo, o culto à Lua Azul passou a ser reprimido por ser considerado uma exacerbação da simbologia lunar, do poder feminino e do culto às Deusas, assuntos perseguidos e proibidos. Mesmo assim, permaneceu sua aura romântica e poética e a Lua Azul passou a ser associada à crença de que era propícia ao romance e ao encontro de parceiros. Surgiu o termo inglês blue moon, significando algo muito raro, impossível, dando origem a inúmeras músicas e poemas melancólicos ou esperançosos.

Na Mitologia Celta, esta Lua favorece o contato com o Reino Encantado dos seres da natureza. Invocam-se as Rainhas das Fadas – Aeval,Aine, Aynia, Bri, Creide, Mah e Sin – e empreendem-se viagens reais ou imaginárias para as “Sidhe”, as colinas encantadas, morada do “Little People”, o Povo Pequeno.


Nesta Lua você pode celebrar a Deusa celta do amor: Aisling, Deusa Fada que propicia a seus cultuadores sorte no amor e a realização dos mais acalentados sonhos. Faça um altar com muitas flores, use música suave de flautas, velas multicoloridas e incenso de jasmim e ylang-ylang. Coloque em uma garrafa azul ou embrulhada em celofane azul, água mineral e a exponha aos raios da lua cheia para imantá-la com a energia desta Lua Azul. Use essa água em suas poções e banhos de amor durante o ano, banhe com ela seu espelho mágico para aumentar sua auto-estima. Faça no chão, em seu jardim, ou ao lado de seu altar, um círculo para as fadas virem dançar nessa noite. Trace o círculo com balas e pedacinhos de bolo, coloque no centro uma maçã e uma taça com água de fonte, ou água mineral. Convide o Povo Pequeno para esse círculo, pedindo à Deusa Aine, Senhora das Fadas, que ali compareçam as mais adequadas a seus objetivos. Sente-se de frente para o Círculo e coloque seu caldeirão no chão. Feche os olhos, respire profundamente 3 vezes e comece a ver uma Clareira na floresta, cheia de flores, com um perfume delicioso. Veja o povo pequeno dançando em seu círculo e perceba a chegada de Aisling, que dança graciosamente até que chega perto de você. Ela tem um rosto feliz, saúda você e ouve suas três perguntas:

- Como eu posso me amar mais? – Qual a pessoa que pode partilhar comigo seu amor?- Que eu preciso fazer para que ela chegue até minha vida?

Escute atentamente as respostas da Deusa e siga fielmente suas instruções. Volte pelos caminhos que tiver percorrido, tome consciência de seu corpo e siga fielmente as instruções de Aisling.

Acenda em seu caldeirão uma vela azul para se amar como você é, uma vela rosa, para encontrar ou manter um/a companheiro/a ideal e uma vela roxa pelo amor universal.

Os Celtas cultivavam perto de suas casas suas plantas preferidas – calêndulas, verbenas, violetas, prímulas, e tomilho – e deixavam oferendas de mel, leite, manteiga, pão, e cristais nas clareiras onde os círculos de cogumelos denotavam sua presença. Para favorecer a “visão”, abrindo a percepção psíquica, usava-se Artemísia, em chá ou em infusões para banhos, suco de samambaias ou orvalho passado nas pálpebras, saches de mil folhas e hipericão, invocações mágicas adequadas.

A Lua Azul é regida pela Matriarca da 13 Lunação. Ela é “aquela que se torna a visão”, a guardiã de todos os ciclos de transformação, a mãe das mudanças. Esta Matriarca nos ensina a importância de seguir nosso caminho sem nos deixar desviar por ilusões que possam vir a interferir em nossas visões. Cada vez que nos transformamos, realizando nossas visões, uma nova perspectiva e compreensão se abre, permitindo-nos alcançar outro nível na eterna espiral da evolução do espírito. A última visão a ser alcançada é a decisão de simplesmente SER. Sendo tudo e sendo nada, eliminamos os rótulos e definições que limitam nossa plenitude.

Para criar uma atmosfera adequada a uma celebração da Lua Azul, use velas e roupas azuis. Prepare água lunarizada expondo garrafas de vidro azul, cheias de água, aos raios lunares. Prepare “travesseiros dos sonhos” enchendo uma fronha de tecido azul com flores de sabugueiro, lavanda ou alfazema, hipericão, folhas de artemísia e sálvia. Imante cristais e pedras azuis como o topázio azul, a safira, o berilo, a água-marinha, o lápiz-lazuli ou a sodalita. Usando músicas com sons da natureza, como pios de corujas, cantos de baleias ou uivos de lobos, permita que sua criatividade e intuição levem-no/a ao Reino das Fadas ou ao encontro das Deusas Lunares. Olhe fixamente para a Lua, eleve seus braços e “puxe” a luz da Lua para sua testa, seu coração e seu ventre. Conecte-se, em seguida, à Matriarca, pedindo-lhe orientação sobre as mudanças necessárias para alcançar uma real transformação.Permaneça, depois, em silêncio e ouça as mensagens e respostas ecoando em sua mente ou alegrando seu coração.

A Lua Azul acontece, em média, uma vez a cada dois anos e sete meses, sete vezes a cada dezenove anos e trinta e seis vezes num século. Isso se deve a que um mês terrestre tem em média 30,5 dias enquanto o mês lunar tem 29,5 dias.

Pode acontecer ter dois meses no mesmo ano com Lua Azul. Isto acontece se a primeira Lua Cheia cair no primeiro de janeiro, como fevereiro tem apenas 28 dias, as próximas duas luas cheias se repetem em março. Tal coincidência ocorre apenas quatro anos em cada século, (o próximo será só no distante 2018).

O folclorista canadense Philip Scock, após ter pesquisado indícios da origem da Lua Azul, afirma que a expressão é usada desde o século XVI para representar uma Lua cheia especial, desafiante, associada ao desatino e a alucinação.

Lua Azul do décimo terceiro ciclo de lunação Nos calendários lunares à lua cheia do décimo terceiro mês se lhe chama também de Lua Azul. Ao ser o último ciclo de lua do ano, ocorre nele também uma síntese do vivido durante todo o ano.

A Lua
Fernando Pessoa
(dizem os Ingleses) (14-11-1931)

A Lua (dizem os Ingleses)
É feita de queijo verde.
Por mais que pense mil vezes
Sempre uma idéia se perde.

E era essa, era, era essa,
Que haveria de salvar
Minha alma da dor da pressa
De… não sei se é desejar.

Sim, todos os meus desejos
São de estar sentir pensando…
A Lua (dizem os Ingleses)
É azul de quando em quando.

PARA COMUNHÃO COM AS FORÇAS DO UNIVERSO
Seguem rituais para serem celebrados nesse dia: (Sugestão Mirian de Carvalho )

BENÇÃOS PARA A PROSPERIDADE
O contato com os elementais é favorecido, principalmente com as fadas.
Faça um circulo com vasinhos de violeta de todas as cores e coloque no centro desse círculo o pedido que desejar, colocando uma maçã bem bonita sobre os pedidos.
Peça à Aisling, Deusa Celta da Esperança e das Fadas que derrame sobre você todas as bênçãos de prosperidade. Podem ser colocados também outros pedidos como saúde, proteção, harmonia interior ou o que desejar.
Acenda uma vela azul posicionada a Leste (onde nasce o Sol) e uma rosa a Oeste (onde o Sol se põe), musica suave de flauta, se tiver e faça:
• Oração de Iniciação
• Oração de prosperidade

BENÇÃOS PARA O AMOR
O contato com os elementais é favorecido, principalmente com as fadas.
Faça um circulo com vasinhos de violeta em tons de rosa e coloque no centro desse círculo, o pedido que desejar, com uma maça bem bonita sobre o pedido.
Peça a Aisling Deusa Celta da Esperança e das Fadas que derrame sobre você todas as bênçãos para o amor e realização afetiva.
Acenda uma vela rosa posicionada a Leste (onde nasce o Sol) e uma azul a Oeste (onde o Sol se põe), musica suave de flauta, se tiver e faça:
• Oração de Iniciação
• Oração para o amor

RITUAL EM GRUPO
Esses rituais também poderão ser feitos em grupo. Nesse caso, cada pessoa deve percorrer o círculo descalça, com as velas acesas, a de cor rosa na mão esquerda e a azul na mão direita antes de colocar o pedido em baixo da maça. Ao terminar o círculo, passe as velas para a pessoa seguinte e coloque o pedido sob a maça.
Formar a fila de pessoas que vão percorrer o círculo na ordem dos signos de cada uma, ou seja: primeiro as de Áries depois Touro, Gêmeos, Câncer, Leão, Virgem, Libra, Escorpião, Sagitário, Capricórnio, Aquário finalizando com as pessoas do signo de Peixes.

OBSERVAÇÃO
No final do ritual a maça deve ser colocada num vaso com flores naturais ou num jardim. Os pedidos queimados e as cinzas assopradas ao vento.

Seguem as orações:

ORAÇÃO DE INCIAÇÃO
DEUS DE INFINITA BONDADE.
• Que eu seja banhada (o) pela luz primordial
• Que eu esteja unida (o) com a sabedoria Terra
• Que eu identifique meu espaço dentro do conceito cósmico
• Que eu tenha percepção das energias sutis
• Que eu seja um espelho da força do amor
• Que eu limpe as nuvens de minha visão
• Que eu saiba o que é preciso saber
• Que eu revele a verdade e o caminho mais sábio
• Que eu enxergue através da perspectiva superior
• Que eu aceite o ser humano sem julgamentos
• Que eu possa sempre manter a tolerância
• Que eu exerça o significado real do amor
• Que eu possa aceitar e usar minha própria força
• Que eu e meu Eu Superior atuem em conjunto
• Que eu mantenha sempre a calma interior
• Que eu respeite o livre arbítrio do outro
• Que eu tenha o equilíbrio entre as polaridades
• Que eu irradie luz através da própria força criadora
• Que assim seja e assim será! Sempre!

ORAÇÃO DE PROSPERIDADE
Supremo Deus de Infinita bondade.
Sou um ser sadio, rico e feliz!
A minha mente, pensamento e emoções são perfeitos e sadios.
A harmonia e a riqueza fazem parte de todas as células e átomos do meu corpo.
Desintegram-se agora todos os medos, conflitos e crenças anteriores, fortalecendo o merecimento de receber, saúde, riqueza e felicidade.
A riqueza está presente em minha vida todos os dias de forma natural e positiva.
Riqueza física, riqueza mental, riqueza espiritual, riqueza emocional e riqueza material.
A riqueza, como tudo que existe no Universo também é uma energia.
Essa energia tem a cor dourada.
Respiro essa energia dourada e sinto-a invadindo todo meu Ser.
Sou próspero bem sucedido nos negócios, tranqüilo e sereno.
Conscientizo-me da Lei da Riqueza.
A natureza é um altar de servir e dela participo ativamente.
Sou um Ser da prosperidade.
Sou realmente um ser sadio, rico e feliz!
Assim é em minha mente…
Assim passa a ser em minha vida agora.

ORAÇÃO PARA O AMOR
Senhor…
Na eternidade que é a evolução de minha alma, tudo é perfeito e pleno.
No entanto, minha vida está sempre mudando.
É um constante reciclar de experiências.
Cada momento é novo e fresco, e sinto em cada dia é um recomeço.
Senhor…
Na perfeição de todas as formas de criação, criaste as polaridades.
Existe em mim uma fonte infinita de amor, amor a Deus,
amor à família, amor à natureza, amor ao próximo.
Mas também preciso compartilhar, preciso amar e ser amada (o).
Quero ser feliz e dividir minhas alegrias.
Senhor…
Ilumina minha alma, acalma meu coração,
Liberta-me desta angustia e solidão.
Direciona meus passos na seqüência certa para uma união feliz.
Que eu atraia somente pessoas dignas e benéficas para minha vida.
Senhor…
Que a Onipotência de sua mão se estenda abençoando todo o meu ser.
Amem!

Fontes pesquisadas pela internet : Universo Pagão - Mirela Faur - Hector Terra - Mirian de Carvalho -Léo Artese.

por Tânia Gori


sexta-feira, 6 de julho de 2012

Mães do elemento Terra


imagem do google*

As mães do elemento Terra são dos signos de: Touro, Virgem e Capricórnio. Podem ter as seguintes características:

Uma mãe superprotetora, que impede seu filho(a) de tomar qualquer iniciativa e reprime sua independência, autonomia e capacidade de dizer não, porque sempre diz esta frase: "E não me responda!". Condiciona seu colo, aprovação e amor à submissão total de seu filho(a), inoculando medos: "Não saia para a rua, que tem muito tarado à solta!". Chamega para tê-lo(a) preso e dependente: "Melhor ficar em casa que mamãe vai fazer aquele doce que você mais gosta!". Assim essa mãe pode se sentir mais importante e imprescindível para seu filho(a), e a criança se torna um covarde, obediente (ou rebelde), totalmente dependente, muitas vezes, obesa. Este padrão de exagerada dependência cria no filho(a) uma dificuldade com as exigências e responsabilidades da vida adulta.

Na infância: ela foi interceptada e invalidada em todas as suas iniciativas, até que sentiu totalmente incapaz, porque sempre ouvia: "Deixe isso que você nunca vais conseguir!". Também ouviu frases que estimularam medo: "Fique quieta! Isso é perigoso!". Quando criança, ela foi ficando cada vez mais tímida, retraída, covarde e insegura. Desenvolveu um mundo interno de exagerada valorização material.

*Fonte: Veet Pramad

terça-feira, 26 de junho de 2012

Grafologia: Assinaturas - auto-imagem


Ainda que a escrita do próprio nome esteja sujeita a todos os princípios de análise vistos até agora, a assinatura tem caráter único e grande importância na grafologia. É o nosso cartão de visita psicológico, refletindo a atitude que o indivíduo adota para com a sociedade, melhor que o self verdadeiro cuja natureza se manifesta na escrita geral. Por isso, tem de ser considerada sempre com relação ao resto da escrita. 


Talvez possamos fazer uma comparação com a astrologia, dizendo que o texto pode ser comparado com o Signo e a assinatura com o Ascendente.

Também poderíamos colocar no lugar da assinatura "Eu" ou "Eu e minha Família", "Eu/meu status" e isso dá uma idéia geral do que se trata.

O nome próprio somente, escrito em documentos mais íntimos é "Eu".

Nome e sobrenome representam o "Eu" na unidade familiar. Afeição, dependência, ou aversão a essa extensão familiar pode ficar bem clara em uma assinatura completa.
A formação de cada parte da assinatura cresce em maturidade pela evolução do indivíduo e esse crescimento pode ser irregular. Os que continuam os estudos em estágios avançados darão menos importância a sua assinatura com relação aqueles que a usam pomposamente em documentos assinados logo após ter terminado a adolescência e ter iniciado algum negocio. 

Como muita repetição torna a assinatura automática, infelizmente essa assinatura tão cultivada durante a adolescência pode se tornar definitiva e ridícula, refletindo nada além de aspirações imaturas.

Muitos "julgam" a assinatura pela firmeza, harmonia e simplicidade. Não seria melhor, talvez, não julgar em absoluto, mas anotar com compaixão as dificuldades enfrentadas por alguns seres humanos em se relacionar com o mundo, a partir de um ponto de vista natural e sem esforço. Falamos muito da simbologia do espaço até esse ponto e vemos que a assinatura representa o nosso caminhar na direção dos outros seres que encontramos em nosso caminho. Se temos medo deles ou se tentamos arduamente impressioná-los, será por algum motivo, mesmo que seja antiquado ou aparentemente irrelevante.


Assinatura em desarmonia com o texto

Representa normalmente uma auto-imagem falsa, e às vezes variando entre um insulto e um grito pedindo socorro, com embelezamentos desnecessários e tentando projetar determinada imagem. Pode ser decifrada pelas linhas de texto que a precedem.

Assinatura em harmonia com o texto
Aqui temos harmonia entre o que a pessoa pensa que é e aquilo que ela realmente é.
Esta harmonia é encontrada em todo tipo de nível de forma (provando que não podemos ter medo de avaliar como harmoniosa uma escrita que simplesmente responda ao critério que exige falta de embelezamento, de exageros e de contafluxos). Esse tipo de assinatura indica um bom grau de autoconhecimento pois não existe uma falha entre a experiência de vida interior e exterior. Por essa razão, caso não existam no texto grandes traços ou padrões contrários, normalmente excluímos conflito mental severo.

Dimensão da assinatura em relação com o texto
A assinatura pode ser maior ou menor que o texto com relação à escrita daquela pessoa.

Uma assinatura maior que qualquer palavra do texto mostra auto-importância: quem escreve se acha a presença mais notável do grupo. O mesmo se aplica se a assinatura for mais alta que larga, mas se a zona média for pequena... a confiança não passa de uma ilusão e isso pode dar ruído ou ostentação.

Uma assinatura muito pequena com relação à escrita pode querer dizer modéstia ou timidez. Nos bons níveis de forma, quem escreve pode estar completamente satisfeito com seus recursos mentais e deseja principalmente não ser notado. De fato, ele pode não ser tímido, como por outros traços na escrita.
Quando a assinatura não somente é pequena mas é colocada longe do centro da página, temos uma atitude modesta com o assunto tratado naquele texto.

Assinatura espaçada
mostra um alcance para a frente, uma atitude de abraçar o mundo sem medos e sem nada a esconder.

Assinaturas que ocupam todo o espaço disponível
Essas assinaturas que chegam até a invadir outros espaços da escrita, marcam a irritação por ficar fechado pelas "restrições mesquinhas" da folha de papel.
Veja, pelo contrário, quando outro indivíduo procura encaixar a assinatura no pouco espaço disponível. Mais uma vez, substitua "Eu", ou "Eu/minha família/status" para perceber qual é a atitude da pessoa num espaço confinado.

Posicionamento da assinatura
Reflete a postura adotada em público. Quando um pouco diferente do texto mostra um desejo de ser notado e um certo distanciamento da matéria do texto.
Quando muito próxima do texto, mesmo existindo muito espaço disponível, reflete grande envolvimento com o conteúdo do texto. O significado de uma escrita que se refugia na esquerda é a do escritor que, como um animal assustado, não consegue se afastar da toca (simbolicamente posicionada na margem esquerda); preferiria talvez, nem ter saído do buraco.

Assinatura bem à direita mostra atividade e entusiasmo, desde que não venha de uma escrita caligráfica que já é sinal de bloqueio. Uma assinatura bem espaçada também avançará para a direita demonstrando intenções impulsivas.

Assinatura inclinada
Se reporta ao restante da escrita.
Quando temos improvisos picos para cima, logo pensamos em auto-inspiracão e ambição e aqui o ser interior joga uma parte muito pequena. 

Assinatura inclinada para baixo
Normalmente, é temporária e pode ser devido à fadiga ou desmoralização. Neste caso, também o texto deverá indicar inclinação nas linhas de base. Quando somente a assinatura está para baixo o "Eu/minha família/status" está bem longe de ser inspirado. O movimento está mergulhando para as áreas do negativo.

Escrita contraída somente no nome.
Indica insatisfação consigo próprio; não existe confiança suficiente para que o "Eu" na escrita seja escrito livremente e abertamente.
Do contrário, o nome próprio exagerado com relação ao sobrenome indica narcisismo, um amor/preocupação exagerados consigo próprio.

Escrita contraída no sobrenome
Pode indicar hostilidade para com o esposo/esposa ou a família, especialmente quando o sobrenome fica em nível inferior ao do nome, fazendo-o parecer um pesado fardo. Na assinatura de pessoas infelizes no casamento, normalmente é o nome que fica mostrando tensão e contração, mostrando sofrimento pessoal; mas quando o nome está reduzido a iniciais, nesse caso poderemos ver letras pequenas e embelezadas com círculos.
Contração, diminuição da dimensão, ou uma linha de base instável ou desigual nas assinaturas sempre indicam falta de tranqüilidade. Vale lembrar que, às vezes, a excitação ou a felicidade também podem mostrar uma linha de base inclinada.

Círculo em volta da assinatura
Indica desejo de se esconder. Numa assinatura irresoluta (faltando firmeza, harmonia e simplicidade) o escritor pode querer proteger sua imagem de sentimentos de inadequação. Mas em assinaturas que "batem" com o texto e de bom nível de forma, às vezes podem existir bons motivos para se esconder. Fazer o circulo no nome é circunda-lo com um traço e não cortar o nome com o mesmo.

Embelezamento da assinatura
Se dá quando outros traços ou movimentos - desnecessários - são adicionados à assinatura, seja dentro do nome ou no espaço circunstante.
Pesados embelezamentos podem ter origem na adolescência e podem estar ligadas mais com os sonhos daquela época do que com a imagem presente. Se as mudanças forem recentes deveremos analisá-los pelo simbolismo do espaço
Grandes nós e letra inclinada para trás podem indicar um desejo de enganar. Mas precisamos observar esses sinais com muito juízo: é uma avaliação muito grave a ser feita.

Ganchos no começo ou no fim da assinatura
A base de avaliação é a mesma das letras em pequenos sinais - golpes iniciais e ganchos. Para muitos grafologos também significam persistência.

Assinatura cortada na linha mediana
Quando um traço corta a assinatura ao meio temos uma grande insatisfação consigo mesmo, com a postura geral do indivíduo e representa um sinal de alerta - um dos poucos da grafologia - e nos diz que o escritor pode querer ferir a si mesmo. Alguns assassinos tem às vezes esse tipo de assinatura.

Linhas paralelas acima e embaixo da assinatura 
Mostram alguém que pretende dominar ou conquistar. Quando a assinatura é muito "forte" também, essas linhas formam como o cano de um canhão pronto a disparar.

Sublinhado curto
Mostram determinação e também uma boa projeção da vontade.

Muitos sublinhados 
Mostram frustração da vontade

Embelezamento ondulado (F)
É encontrado sem grande freqüência no Brasil e deve significar exibicionismo mais ou menos exagerado, em função da variedade do sublinhado.

Assinatura ilegível
Deve pertencer a pessoas que não tem a coragem de mostrar seu próprio nome.
Mas, lembrando de que muitos ideais ou sonhos da adolescência podem se transformar em assinaturas complexas, e que se trataria como que desenhar um ideal, poderemos também encontrar esse tipo de assinaturas em pessoas de ambição, coragem e vontade.

Assinatura dos que assinam muitas vezes por dia
Podem se tornar como que um carimbo de borracha que é impresso em documento sobre o nome do indivíduo. O processo de assinar se torna automático e o nome não precisa ser identificado por ser familiar ao recipiente ou porque é identificado pelas letras impressas embaixo da assinatura.
E aqui normalmente temos movimentos que evoluíram desde a infância com impulsos regulares. Um bom grafólogo teria muita dificuldade em analisar uma assinatura ilegível sozinha sem o texto, mesmo que muitos pequenos sinais descritos nesta seção se apliquem perfeitamente.
É claro também que o avanço dos computadores e das impressoras obriga cada vez mais o grafólogo a analisar somente o que fica disponível, e mesmo uma assinatura ilegível pode ser esse único elemento.
O estudo da assinatura poderá se tornar um dia um estudo separado.

*****

Dicas para melhorar sua vida pela assinatura

Como a assinatura é considerada -em importância-, metade de uma avaliação grafológica, nada mais simples para começar a mudar, para melhor e desde já-, sua caminhada pela existência...

Sim, é possível e funciona, eu mesmo fiz isso na época em que ainda estudava esta ciência muito especial. 

Essencialmente trata-se de refinar, ajustar e seguir alguns pontos básicos. 

É simples e faz sentido; são quatro aspectos principais: 

1 - Torne sua escrita totalmente legível, abra-se para o mundo, confie em sua natureza divina, em sua linhagem de Luz.
2 - Busque mantê-la em harmonia com o texto, no mesmo estilo; denota equilíbrio e até estabilidade emocional.
3 - Procure chegar a uma escrita ligada, sem interrupções, rápida, espontânea.
4 - Tudo isso não esquecendo a simplicidade dos traços, evitando todos os sinais inúteis, supérfluos. 

Só isso. Treine bastante, faça muitas simulações e sentirá os benefícios chegando e tocando sua Alma. 

Bem-vindo à Grafoterapia! 

O Universo agradece.


Por Sergio Scabia

Fonte:
http://somostodosum.ig.com.br/conteudo/c.asp?id=00859
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...